Paul Ryan propõe regresso à doutrina social católica

O Presidente da Câmara dos Representantes [dos Estados Unidos], Paul Ryan, falou no Pequeno-almoço Nacional de Oração (National Prayer Breakfast) sobre como ele acredita que a resposta a muitos dos problemas políticos que a sociedade enfrenta hoje, incluindo o relativismo moral e o tribalismo, pode ser encontrada na doutrina social católica.

O discurso público tornou-se mais estridente que racional”, enfatizou Ryan. “Quero passar alguns minutos refletindo sobre alguns dos dons que Deus está tentando nos dar”, disse ele aos participantes, “ou seja, o que a doutrina social católica traz à vida pública”.

Ryan alertou para problemas sérios que crescem na sociedade e no discurso da sociedade. “Nós vemos o relativismo moral tornando-se cada vez mais difundido na nossa cultura”, disse ele. “A política de identidade e o tribalismo cresceram em cima disso. Tudo isso se tornou mais predominante na tecnologia do século XXI. E há muito dinheiro a ser usado para piorá-lo “.

Se alguma vez houve um tempo e lugar onde os católicos – do clero aos leigos – são necessários, é aqui e agora, para ajudar a resolver este problema”, disse Ryan, que e foi recebido com aplausos.

Ryan chamou a doutrina social católica de “o antídoto perfeito para o que aflige a nossa cultura. Começa com uma visão de uma sociedade livre e virtuosa – não um conjunto de prescrições políticas ou mesmo um kit de ferramentas para produzir essas prescrições -, mas uma visão de dignidade e possibilidade”, disse ele.

Ele acrescentou que os problemas da sociedade “são maiores do que o tom que tomamos. A nossa doutrina social ensina-nos que a democracia exige solidariedade, um senso de amizade cívica”, enfatizou. “Nós vemos os nossos vizinhos como parceiros nesse empreendimento comum – mesmo quando discordamos, especialmente quando discordamos”.

Ele explicou que o ensino social católico mostra que a cultura moral é formada por essas associações livres da sociedade civil. (…)

Ryan disse que a doutrina social da Igreja “adverte-nos contra permitir que o Estado alcance demasiado a sociedade civil. Todos devemos insistir que a política pública em todos os níveis permite às instituições católicas a máxima liberdade para servir os pobres”, enfatizou, “os idosos … as crianças ansiando por famílias adotivas … mulheres em gravidezes em crise … famílias separadas pelo epidemia de opiáceos: todos aqueles que procuram a igreja pela ajuda que precisam para viver uma vida de propósito“.

Ele concluiu que vê “uma tremenda oportunidade para os católicos liderarem… para ajudar a trazer nossa cultura e nosso país para mais perto do grande potencial moral que temos”. Fonte: Townhall; discurso completo de Paul Ryan: Speaker.

Paul Ryan, ele mesmo um católico romano, apenas reflete para a vida política e social, aquilo que são as suas convicções religiosas. Contudo, ele comete um erro quando sugere que a doutrina social da Igreja impedirá demasiada interferência do estado na sociedade civil – o oposto é que é verdade: a Igreja Católica não perderá uma oportunidade de se imiscuir nos assuntos de estado, ainda que de forma disfarçada. Da mesma forma, dizer que uma proposta católica levará a uma sociedade livre é uma negação da história.

Curioso foi o termo que Ryan usou para descrever a essência da sua proposta: antídoto, ou seja, a solução.

À parte disto, fica mais uma vez evidente que crescem as vozes apelando a um regresso aos valores e princípios morais cristãos que nos últimos tempos andaram bastante arredados da cena americana. E, como não poderia deixar de ser, a Igreja Católica Romana estará atenta a todos esses desenvolvimentos.

PARTILHE ESTE ARTIGO!

2 comentários em “Paul Ryan propõe regresso à doutrina social católica

  1. Como Adventista temos diretrizes muito bons através do Espirito de Profecia de como tratar os problemas do mundo especialme problemas sociais (Livro Patriarcas e Profetas). Por isso que Deus chamou-nos para ser a cabeça e não a cauda. Mas insistimos em querer ser cauda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *